segunda-feira

XII - Bette Davis - Os últimos anos de uma estrela


Depois de "Hush...Hush, Sweet Charlotte" Bette recebeu uma oferta de uma produtora inglesa para filmar "The Nanny", a história de uma babá emocionalmente perturbada pela morte acidental de uma garotinha e agora também muito perigosa para seu irmão. Este filme teve um sucesso moderado, mas Bette não recebeu uma oferta de cinema em dois anos. Durante esta pausa em sua carreira, decidiu se mudar para Wetport, Connecticut, perto de onde BD e seu marido Jeremy tinham comprado uma casa. Estava muito animada com o projeto de viver perto da sua amada filha. No entanto, a atitude do casal sempre foi muito distante e as visitas foram poucas e cheias de discussões. B.D. deliberadamente se distanciou de sua mãe e se dedicou à vida familiar.

Seu filho Michael, no entanto, era um rapaz gentil e muito educado. Aos 21 anos casou-se com Chou Chou Raum, uma moça que a encantou. A cerimônia de casamento foi uma ocasião feliz para Bette. No entanto, B.D. não compareceu à cerimônia nem às celebrações, apesar de ser convidada.

Em 1968, contratou Vik Greenfield como assistente e trabalhou com ela por seis anos. Mais tarde, naquele mesmo ano, sua irmã Bobby decidiu mudar para Phoenix e viver com a filha Ruth e sua família.

Naquela época Bette estava sozinha e só encontrou consolo em seu trabalho cada vez mais escasso. Entre 1972 e 1974, protagonizou vários pilotos para televisão que não chegaram a se tornar séries. Também fez aparições divulgar seus filmes e debatê-los com o público.

No final de 1973 problemas econômicos levaram-na a vender a sua casa “Two Bridges” e comprar um menor que chamou de “My Bailiwick” e estava mais próxima da BD

Bette entrevistada na TV em 1974

Não aparecia nenhuma oferta e ela aceitou a primeira que chegou às suas mãos, um papel principal em um musical da Broadway. Era "Miss Moffat", a versão teatral de seu filme de 1945 "The Corn Is Green". A principio, Bette aceitou o desafio com entusiasmo e se juntou com um alegria aos jovens membros do elenco. No entanto, quando se aproximou a data da estréia, começou a sofrer vários problemas de saúde o que causou muitos atrasos. Finalmente, a peça estreou com sucesso, mas depois de algumas apresentações Bette voltou ter problemas de saúde, deixando, assim, o teatro.

Seu papel seguinte seria em um filme de terror "Burnt Offerings", onde, novamente, Bette brigou com toda a equipe.


Seu próximo filme, "The Disappearance of Aimee" foi mais satisfatório. Era um filme produzido para TV em que co-estrelou ao lado de Faye Dunaway, que, aliás, não gostou nada de Bette.

Em 1976 B.D. e seu marido se mudaram para uma fazenda em Stevens Township, Pensilvânia. Bette procurava visitá-los com frequência, mas nunca se hospedava em sua casa e sim em um hotel. As visitas eram tensas, pois Bette não era bem recebida pelos dois. Apesar disso, continuava ajudando-os financeiramente. A relação entre mãe e filha ia de mal a pior e BD nunca se mostrou agradecida.


Em 1977 Bette teve várias propostas. Primeiro, atuou em “The dark secret of harvest home” e mais tarde fez uma participação especial em uma adaptação cinematográfica do romance de Agatha Christie "Death on the Nile”.


Em agosto de 1977 B.D. deu à luz um novo filho e Bette foi excluída desse momento. Bette finalmente assumiu que não era querida na vida de sua filha e decidiu se afastar. Deixou Connecticut e se mudou para West Hollywood, onde comprou um apartamento. Bette se sentia imensamente sozinha, pois sua mãe Ruthie estava morta, sua irmã Bobby estava sofrendo de câncer e sua filha a havia repudiado. Ela se entregou ao álcool como nunca mas, felizmente, em 1979 entrou em sua vida uma jovem universitária, Kathryn Sermak, que se tornaria sua secretária pessoal e sua companhia nos últimos anos de vida. Conheceu Kathryn quando contratou para acompanhá-la na Inglaterra durante as filmagens de "Watcher in the Woods", e ao retornar, pediu-lhe para ficar com ela como assistente pessoal.



Em julho de 1979, Bobby morreu, o que foi um novo golpe para Bette. Entre 1978 e 1980 participou de vários projetos: "Watcher in the Woods" e "Return from Witch Mountain" para a Disney, e três filmes de TV para a televisão, "Strangers", "White Mama" e "Skyward". Sua atuação em "Strangers" lhe rendeu o Emy de Melhor Atriz Coadjuvante .

Em 1981 ofereceram o papel principal em uma minissérie para a televisão, “Family reunion”. Bette indicou para um dos papéis seu neto Ashley, filho de BD

Novamente a atriz tinha várias ofertas na mesa para escolher. Em 1982, interpretou para a TV "Little Gloria... Happy at Last" e “A Piano for Mrs. Cimino".

Em 1983 Bette teve o privilégio de trabalhar em “Right of Way”, com outro mito da idade de ouro de Hollywood: James Stewart, então tinha a mesma idade, 75 anos. O trabalho foi cordial e cheio de admiração e respeito de ambos os lados.

Com James Stewart

Em 1983 B.D. e Jeremy pediram ajuda a Bette porque estavam prestes a perder o seu negócio e sua fazenda. Bette assumiu todas as suas dívidas, e embora tendo agradecido verbalmente, não o fizeram de fato.


Em 1983 Bette recebeu uma oferta interessante do conhecido produtor Aaron Spelling para realizar uma participação especial em uma nova série televisiva, "Hotel". Bette participaria de sete episodios e receberia uma soma muito grande de dinheiro. Foi uma oportunidade de permanecer ativa com um pequeno trabalho que proporcionaria estabilidade econômica. Participou do piloto e do primeiro episódio e mesmo que a oferta a tenha agradado, o destino comandou trazendo sérios problemas de saúde. Bette foi diagnosticada com câncer de mama e, em seguida, sofreu várias crises que fragilizaram sua aparência física e força. Precisou de vários meses de reabilitação. Ao seu lado estava sempre Kath. As visitas de BD sempre foram escassas.

Primeiro episódio da série "Hotel"

Pouco depois B.D. e seu marido tiveram novos e graves problemas econômicos e perderam a casa e o negócio.

Enquanto isso, Bette estava muito fraca e temia ser vista em público. Em 1984, aceitou participar na Inglaterra da versão televisiva do romance de Agatha Christie "Murder with Mirrors", com Helen Hayes. Nessa época, B.D. e seu marido viraram fanáticos religiosos. B.D. também recebeu uma oferta lucrativa para escrever um livro sobre sua mãe. “My mother’s keeper” foi extremamente cruel com Bette e a magoou profundamente, algo que Bette nunca se recuperaria. Teve uma sequência intitulada “Narrow is the way” com uma repercussão muito menor. O primeiro se tornou um best-seller e deu a BD muito dinheiro às custas de falar mal de sua mãe.

O ano de 1985 terminou com a má notícia para a Bette de que Kath estava ia trabalhar em Paris, onde estava seu noivo. Ele aceitou com resignação e enfrentou novamente a solidão e a procura por amigos e desconhecidos que contratava.

Uma nova salvação veio do filme de TV "As summers die”, mas depois desse trabalho passou algum tempo sem ofertas. Sua saúde e aparência física a tinham minado muito e as propostas eram difíceis. No entanto, em 1986, ele se deparou com um belo filme chamado "The Whales of August", onde trabalhou com Lillian Gish, a rainha do cinema mudo.


Bette decidiu escrever um segundo volume de suas memórias, “This’n that”. Além disso, na primavera de 1987 Kath Sermak retornou de Paris após romper com seu noivo e tornou-se novamente a mão direita de Bette. Esteve com ela até o dia da sua morte e desempenhou o papel que deveria ter sido de BD


A saúde e a aparência de Bette a reduziram a uma figura esquelética. Mesmo nesta situação, em 1988 iniciou as filmagens do que seria seu último filme, "Wicked stepmother”. Bette trabalhou duas semanas e abandonou a gravação. No entanto, o diretor refez o roteiro e incluiu os minutos que Bette participou. O filme foi comercializado somente em vídeo.

Ao longo de 1989, Bette recebeu vários prêmios honorários. O último deles foi o Prêmio por toda a obra no Festival Internacional de Cinema de San Sebastian. Bette foi para a Espanha, apesar de sua saúde precária. O cancer havia se espalhado pelo seu corpo, mas por alguns dias, o calor e os aplausos do público deram-lhe mais alguns momentos de glória. Foi para San Sebastian e alguns dias depois, após uma piora de sua saúde, foi com Kath ao Hospital Americano de Paris, onde morreu em 6 de outubro de 1989. Despedia-se assim, uma das maiores lendas de Hollywood e uma das atrizes melhores e mais fascinantes de todos os tempos, Bette Davis.

Tumulo de Bette Davis - "Ela não escolheu o caminho mais fácil"

 Créditos: Aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário